Pesquisar este blog

terça-feira, 8 de junho de 2010

Quando Ele voltar, seremos semelhantes a Ele


A Bíblia nos ensina algo maravilhoso sobre sermos semelhantes a Jesus. Em suas páginas ela afirma que seremos semelhantes a Ele tanto físicamente como espiritualmente. Essa esperança é algo maravilhoso.

O apóstolo Paulo diz: “[Jesus] transformará o corpo da nossa humilhação, para ser semelhante ao corpo da sua glória” (Fp 3:21). O corpo de Jesus é de carne e ossos desde o nascimento e até depois da ressurreição (Lc 24:39). Mas essa verdade é constantemente atacada por seitas e doutrinas falsas que negam esse fato. A Bíblia nos ensina que Jesus ressuscitou fisicamente e possui eternamente um corpo físico. Esse corpo físico possui características diferentes do nosso corpo atual, mas é um corpo real. A promessa da ressurreição implica que todos os que crêem Nele terão um corpo semelhante ao Dele. Esse corpo não estará sujeito aos problemas atuais e limitações. Jesus atravessou portas e paredes e comeu com os discípulos para provar que seu corpo era real. Possuía as marcas de identificação da crucificação e, penso que isso foi necessário para provar aos discípulos que era Ele mesmo. Era o mesmo corpo, só que agora glorificado, um corpo especial.

O principio bíblico da predestinação nos ensina que Deus nos predestinou para sermos "conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos” (Rm 8:29). Muita gente se confunde quando se fala em predestinação. A bíblia ensina com simplicidade que os que crêem em Jesus serão como Ele. Essa é a destinação ou predestinação que Deus quis. Nada mais lógico e simples. Seremos como Ele é. Somos irmãos de Jesus e ele é o primeiro, ou seja, Ele é o padrão absoluto que Deus estipulou como perfeição.

Quando Deus criou o homem à sua imagem e semelhança é porque a nossa imagem é a imagem do próprio Deus, que é Jesus (Gn 1:26). Deus planejou para que fôssemos iguais à imagem que Ele projetou para si mesmo. Paulo diz “Ele é a imagem do Deus invisível” (Cl 1:15). Jesus também disse: “Quem me vê a mim vê o Pai” (Jo 14:9). Deus Pai quer que sejamos como Jesus, tanto na forma como no ser. Semelhantes em amor, paz, alegria, mansidão, justiça etc. O salmista diz: “Quanto a mim, contemplarei a tua face na justiça; eu me satisfarei da tua semelhança quando acordar” (Salmos 17:15).

O apóstolo Pedro conclui: “ele nos deu suas preciosas e mais sublimes promessas para que, por meio delas, vos torneis participantes da natureza divina” (II Pe 1:4). O projeto de Deus tem que passar por Jesus. Mas o Diabo, desde o princípio, tenta perverter os planos de Deus, fazendo com que o homem creia que pode ser “como Deus” sem Jesus. Isso é impossível.

Lincoln Máximo Alves (Junho/2010)

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Agora é Trízimo. Essa é a nova “revelation” da igreja contemporânea

Meus irmãos em Cristo,


Gostaria de comentar a nova onda do momento no meio evangélico. A nova “revelation” é o TRÍZIMO. Os que inventaram essa novidade afirmam que existe uma explicação bíblica para isso, é claro. Tudo teologicamente comprovado. Dizem que é por causa da trindade: 10% ao Pai, 10% ao Filho e 10% ao Espírito Santo.


Boa argumentação, não é mesmo? Se acharem que estou exagerando, busque no Youtube a palavra trízimo e vejam pastores famosos e grandes líderes defendendo essa idéia.


Bem, fico triste a cada dia ver essas igrejas seduzirem muitos com suas pregações empolgantes e barganhentas. Isso tudo estava previsto e dito pelos apóstolos e profetas do Novo Testamento. Basta conferir:


I Timóteo 6:5-11:

5 disputas de homens de entendimento corrompido e privados da verdade, que imaginam que a piedade é fonte de lucro.
6 De fato, a piedade acompanhada de satisfação é grande fonte de lucro.
7 Porque nada trouxemos para este mundo, e daqui nada podemos levar dele.
8 por isso, devemos estar satisfeitos se tivermos alimento e roupa.
9 Mas os que querem ficar ricos caem em tentação, em armadilhas e em muitos desejos loucos e nocivos, que afundam os homens na ruína e na desgraça.
10 Porque o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males; e por causa dessa cobiça alguns se desviaram da fé e se torturaram com muitas dores.
11 Mas tu, ó homem de Deus, foge destas coisas e segue a justiça, a piedade, a fé, o amor, a constância e a mansidão.

II Pedro 2:1-3:

1 Mas entre o povo também houve falsos profetas, assim como entre vós haverá falsos mestres. Às ocultas, introduzirão heresias destruidoras, negando até o Senhor que os resgatou e trazendo sobre si mesmos repentina destruição..
2 E muitos seguirão sua vida de libertinagem, e o caminho da verdade será difamado por causa deles.
3 Movidos pela ganância, também vos explorarão com suas artimanhas. Sua condenação desde há muito tempo não tarda, e a sua destruição não está inerte.

A falta de conhecimento bíblico, em especial o do Novo Testamento, tem causado o desvio de muitos. Que tristeza!


A “igreja” contemporânea é fundamentada na teologia do Antigo Testamento. Interpretam o Novo à luz Antigo, sendo que o correto seria interpretar o Antigo à luz do Novo.


Listo três razões que o Novo é superior ao Antigo:
1) O Novo é uma Nova e eterna aliança no sangue de Jesus, enquanto que o Antigo era aliança temporária e baseada em sangue de animais (Hebreus caps 7 a 10)
2) O Novo é baseado no Sacerdócio de Melquisedeque, enquanto que o Antigo é baseado no Sacerdócio de Arão (Levítico) (Hebreus 7).
3) O Novo possui a revelação do mistério da piedade e a dispensação da graça. No Antigo a revelação era a Lei de Moisés. Não estava completa. Eram sombras e figuras, e não era perfeita e não podia aperfeiçoar. Os profetas não sabiam de muitas coisas, pois estava encoberto a eles. Na plenitude dos tempos Deus se revelou em Jesus Cristo (Efésios 3; I Tm 3:16).


A situação atual da igreja:
1) Prefere-se as figuras e símbolos, em vez do real, Cristo. Guardam dias, meses, comidas, rituais etc.
2) Prefere-se os jugos e maldições da lei, em vez da liberdade e bênçãos em Cristo.
3) Prefere-se o sacerdócio Levítico, em vez do sacerdócio de Cristo.
4) Prefere-se a religiosidade, em vez do conhecimento de Cristo.


O que mais me incomoda é que a frase dita por um nazista chamado Joseph Goebbels tem acontecido em nosso meio: “uma mentira dita cem vezes, torna-se uma verdade”. De tanto os pregadores gananciosos pregarem frases de efeito, que na verdade estão cheias de defeitos teológicos, se tornam uma “verdade” no meio cristão.


Portanto, meu conselho é: vigiai e estudai o Novo Testamento!


Lincoln Máximo (Junho/2010).