Pesquisar este blog

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Estudos em Apocalipse - Aula 6

Apocalipse 1:14-15


14 Sua cabeça e seus cabelos eram brancos como a lã, tão brancos quanto a neve, e seus olhos eram como chama de fogo.
15 Seus pés eram como o bronze numa fornalha ardente e sua voz como o som de muitas águas.

Jesus aparece com a cabeça e cabelos brancos como a lã e a neve. Isso se assemelha à visão de Daniel:


Enquanto eu olhava, tronos foram postos no lugar, e um ancião se assentou. Sua veste era branca como a neve; o cabelo era branco como a lã. Seu trono ardia em fogo, e as rodas do trono estavam todas incandescentes (Daniel 7:9).

Porém, na visão de Daniel, Deus Pai é representado por um “ancião de dias” com o mesmo simbolismo do cabelo branco como a lã. Essa representação não significa velhice, antes, sugere a eternidade, a pureza e a sabedoria. O Pai e o Filho tem a mesma natureza divina e compartilham dos mesmos atributos. Jesus afirmou: “eu e o Pai somos um” (João 10:30), e também disse a Filipe: “quem me vê a mim, vê o Pai” (João 14:9). O apóstolo Paulo afirma que Jesus é a imagem do Deus invisível (2 Coríntios 4:4; Colossenses 1:15) e que Deus se manifestou em carne (1 Timóteo 3:16). Em Hebreus 1:3 temos que Jesus é a expressa imagem de Deus. Essas passagens fazem parte do fundamento da Doutrina da Trindade. Uma doutrina muito discutida desde o princípio da igreja e, com certeza, muito difícil de explicar em poucas palavras. Mas podemos resumir que Deus é um ser espiritual, que possui três pessoas distintas: O Pai, o Filho e o Espírito Santo. As três são o mesmo Deus, e não são três deuses.

Logo nos primeiros séculos depois de Cristo ocorreram vários concílios (reuniões teológicas) para debater sobre a natureza de Jesus. Por conta disso, vários grupos se formaram a partir daí. Os Arianos, que seguiram a tese do bispo Ário, entendiam que Jesus não é Deus, mas foi a primeira criatura, criado antes de tudo, como um semi-Deus; e que depois, o Espírito Santo foi criado pelo Pai e o Filho. Atualmente essa doutrina é conhecida como Arianismo ou Unitarismo. Atualmente alguns grupos se assemelham a essa doutrina, porém com pequenas diferenças, como é o caso das Testemunhas de Jeová. Esses defendem que Jesus e o arcanjo Miguel são a mesma pessoa e que o Espírito Santo é “uma força” ou “energia de Deus”.

Outro bispo, chamado Sabélio, defendeu a tese de que Deus Pai, Jesus e o Espírito Santo são um e a mesma pessoa.  Para Sabélio, existia um único Deus que se apresentava de vários modos. Por isso, essa doutrina é conhecida como: Sabelianismo, Modalismo ou Unicismo. Atualmente alguns grupos defendem essa doutrina, como é o caso da Igreja Voz da Verdade e da Igreja Pentecostal Unicista.

Existem ainda os que creem que o Pai, o Filho e o Espírito Santo são três deuses separados. Essa doutrina é chamada de Triteísmo. Os Mórmons (A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias) adotam essa doutrina.

Como se pode ver, essas doutrinas complexas geraram muita polêmica no campo teológico e continuam causando grande divisão entre o povo que se diz cristão. Todas elas possuem argumentos prós e contras, cada uma sustentando suas teses com versículos bíblicos. As perguntas que podemos fazer são:

1)    O que Jesus Cristo pensa disso tudo?
2)    Como Jesus reagiu às divisões religiosas em sua época?
3)    Será uma estratégia de Deus essa fragmentação para alcançar mais gente?
4)    Será uma estratégia do inimigo para enfraquecer a cristandade?
5)    Quem está com a verdade se todos dizem que têm a verdade?
6)    A salvação de uma pessoa depende de sua posição teológica?
7)    O que Jesus e os apóstolos alertaram a respeito das heresias?
8)    Por quais princípios o crente deve se pautar para não ser confundido?

O essencial é que o crente tenha em mente que o inimigo de Deus quer negar a soberania de Jesus e o resgate pelo seu sangue na cruz, desviando dessa forma a fé salvadora, que é o meio de acesso à graça de Deus. Leia: 2 Pedro 2:1; 2 Coríntios 11:3-5 e Romanos 5:1-2.

Uma das grandes dificuldades de interpretação da Bíblia, especialmente do livro de Apocalipse, é sua grandeza de detalhes e significados. Ora apresentando trechos que podem ser interpretados de forma literal, ora apresentando trechos em que só cabe uma interpretação figurada. Muitos detalhes eram mais claros para os crentes da época, visto que o livro foi escrito inicialmente para eles. Entretanto, outros trechos estão mais claros para os crentes de agora.

Na visão de João, Jesus aparece com “olhos como chama de fogo”. Isto sugere a visão do Senhor onisciente, em que tudo vê, e que sonda a mente e o coração de cada um para retribuir segundo as suas obras, seja o bem ou o mal, pois cada um prestará contas de si mesmo a Deus (Apocalipse 2:23; 2 Coríntios 5:10; Romanos 14:12). Em provérbios 15:3 diz “Os olhos do Senhor estão em toda parte, observando atentamente os maus e os bons”.

Seus pés eram como o bronze numa fornalha ardente”. Alguns intérpretes sugerem que os pés incandescentes representam o sofrimento de Cristo na terra, visto que ele passou pela fornalha do sofrimento, e foi provado no fogo do juízo de Deus. Outros sugerem que o bronze simboliza o julgamento prestes a sobrevir. Não há consenso entre os estudiosos a esse respeito.