Pesquisar este blog

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Estudos em Apocalipse - Aula 7



Apocalipse 1:16-18


16 Tinha em sua mão direita sete estrelas, e da sua boca saía uma espada afiada de dois gumes. Sua face era como o sol quando brilha em todo o seu fulgor.
17 Quando o vi, caí aos seus pés como morto. Então ele colocou sua mão direita sobre mim e disse: "Não tenha medo. Eu sou o primeiro e o último.
18 Sou aquele que vive. Estive morto mas agora estou vivo para todo o sempre! E tenho as chaves da morte e do Hades”.


As sete estrelas aparecem na mão direita do Senhor. O significado de algo estar “em sua mão direita” significa o controle, o poder e também o cuidado. Jesus disse que suas ovelhas estão em sua mão e ninguém poderá arrancá-las dele. Jesus afirma que o Pai é maior que todos e lhe deu as ovelhas para cuidar (Jo 10:28-29). Essa é uma informação importante e mui maravilhosa para o cristão, é o que chamamos de Segurança da Salvação.  A Bíblia afirma que “[...] nem morte nem vida, nem anjos nem demônios, nem o presente nem o futuro, nem quaisquer poderes, nem altura nem profundidade, nem qualquer outra coisa na criação será capaz de nos separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus, nosso Senhor” (Rm 8:38-39). Essa segurança nos traz paz de espírito e confiança, porém muitas vezes é mal compreendida, como uma doutrina que pode trazer relaxamento espiritual e desprezo pelas coisas de Deus. A paz que o Senhor nos prometeu é uma paz diferente (Jo 14:27). O cristão que entende a segurança da salvação de forma correta consegue viver em paz e trabalha para o Senhor com um espírito tranquilo e sereno, e com a gratidão de servi-lo sem ter uma “espada” em sua garganta. O cristão não deve servir ao Senhor por medo, nem por legalismo religioso (cumprimento de regras), nem por barganha (troca de favores), pois a sua alma foi comprada pelo sangue de Jesus, e nada poderá superar esse preço pago.

A expressão “da sua boca saía uma espada afiada de dois gumes”, é a Palavra de Deus que sai da boca de Jesus. A Bíblia afirma que a Palavra de Deus é como uma espada afiada que penetra profundamente e age com precisão (Hebreus 4:12; Efésios 6:17).  É de dois gumes porque ela agirá de um lado para julgar e condenar os que não se arrependeram (Jo 12:48; Ap 2:16; Ap 19:15), e por outro lado, fará a defesa dos santos (Isaias 33:22; Mateus 25:34).

O seu rosto brilhava como o sol. Quando Jesus levou Pedro, Tiago e João para um monte em particular, eles tiveram o privilégio de ver o rosto do Senhor brilhante como o Sol (Mt 17:1-8). Isso era uma demonstração da glória do Senhor em seu reino. Isso representa a sua divindade autêntica. Moisés, que refletiu parte dessa glória – pois era servo de Deus – recebeu em seu rosto o resplendor do seu Senhor (Ex 34:29; 2 Coríntios 3:7). Todos os salvos resplandecerão como o sol no reino de Deus (Mt 13:43).

No verso 17 João diz: “Quando o vi, caí aos seus pés como morto. Então ele colocou sua mão direita sobre mim e disse: "Não tenha medo. Eu sou o primeiro e o último”. Até mesmo os grandes personagens bíblicos quando tiveram contato com a glória de Deus, não suportaram o seu resplendor. Isaías, quando viu o Senhor exclamou: “Ai de mim! Estou perdido!” (Isaías 6:5). Daniel teve uma grande visão, e não lhe restaram forças (Dn 10:8-11). Paulo caiu do cavalo e ficou três dias sem enxergar por causa do resplendor de Jesus (Atos 9:1-9). As experiências místicas genuínas revelam que o homem pecador não suporta o encontro com a pureza gloriosa do Senhor. Surge uma sensação de temor, que faz esvaziar e purificar o “eu”. Mas, logo em seguida, a alma é levada ao êxtase. Então segue-se o fortalecimento conferido pelo Senhor. Primeiramente vem o temor, para depois, fortalecido, poder adorá-lo.

A expressão “não tenha medo” ou “não temais” aparece diversas vezes na Bíblia. Jesus disse para não temermos. Ele veio para consolar-nos, dar-nos segurança e auxílio (Mt 10:31; Mt 14:27; Lc 12:32). Porém, existem várias formas de medo e temor. O pecado provoca-nos o medo. Isso é próprio do ser humano. Quando erramos, o medo aparece e nos afastamos de Deus. A primeira ocorrência da palavra medo na Bíblia está em Gênesis 3:10. Quando Adão cometeu o primeiro pecado, disse: “Ouvi os teus passos no jardim e fiquei com medo”. Esse medo é proveniente da nossa consciência da justiça de Deus. Sabemos que Deus é justo e não aceita o pecado. Por esse motivo Jesus veio, para nos purificar de todo o pecado e apresentar-nos inculpáveis diante de Deus (Colossenses 1:22).

No verso 18 diz: “Sou aquele que vive. Estive morto, mas agora estou vivo para todo o sempre! E tenho as chaves da morte e do Hades”. Jesus afirma que morreu e ressuscitou e está vivo para todo o sempre. Algumas religiões como  o Islamismo, o Espiritismo, o Judaísmo, entre outras, negam essa verdade. A Bíblia, porém, afirma que Jesus ressuscitou ao terceiro dia com o mesmo corpo de carne e ossos (Lucas 24:39).

Jesus tem a chave da morte e do Hades (inferno). Isto significa que Jesus é quem controla a morte física e espiritual. A palavra “morte”, no grego thanatos, se refere a morte do corpo. A palavra “hades”, no grego, se refere ao local dos espíritos. Jesus venceu a morte e também venceu aquele que tinha o poder sobre ela, o diabo (Hebreus 2:14-15). Jesus possui toda autoridade nos céus e na terra (Mt 28:18). A morte e o inferno não exercem qualquer poder sobre Jesus, porquanto ele ressuscitou em poder e glória, não tendo sido retido por uma ou por outra. Seu corpo não viu corrupção e sua alma não foi detida no hades. (Atos 2:27). Ele obteve a vitória, mas não apenas para si mesmo. A sua missão é a redenção humana; por isso é que ele conquistou potencialmente a vitória, em favor de todos os homens. Porém, os homens é que rejeitam a salvação do Senhor, que é de graça, por meio da fé.