Pesquisar este blog

sábado, 12 de janeiro de 2013

Estudos em Apocalipse - Aula 13

Aula 13 


Apocalipse 3:1-6 

1 “Ao anjo da igreja em Sardes escreva: “Estas são as palavras daquele que tem os sete espíritos de Deus e as sete estrelas. Conheço as suas obras; você tem fama de estar vivo, mas está morto. 
2 Esteja atento! Fortaleça o que resta e que estava para morrer, pois não achei suas obras perfeitas aos olhos do meu Deus. 
3 Lembre-se, portanto, do que você recebeu e ouviu; obedeça e arrependa-se. Mas se você não estiver atento, virei como um ladrão e você não saberá a que hora virei contra você. 
4 “No entanto, você tem aí em Sardes uns poucos que não contaminaram as suas vestes. Eles andarão comigo, vestidos de branco, pois são dignos. 
5 O vencedor será igualmente vestido de branco. Jamais apagarei o seu nome do livro da vida, mas o reconhecerei diante do meu Pai e dos seus anjos. 
6 Aquele que tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas. 

A igreja de Sardes possui uma história semelhante à da cidade. Uma cidade imponente, orgulhosa de si, e que se considerava forte e inabalável. Foi atacada pelos exércitos inimigos por uma brecha em suas muralhas enquanto os soldados dormiam. Aprendemos com a Bíblia que a soberba precede a ruína, e a altivez do espírito precede a queda (Provérbios 16:18). Muitas igrejas vieram a cair em consequência de os membros agirem de semelhante modo. 

Jesus se apresenta como aquele que tem os sete espíritos de Deus e as sete estrelas, ou seja, ele é o dono da igreja e de suas ovelhas. As suas ovelhas ouvem a sua voz e o seguem. O número sete representa a perfeição e a totalidade. Ele é o nosso Senhor! 

Novamente Jesus diz para a igreja que conhece as suas obras. Ele conhece tudo que se passa nas igrejas. Normalmente são as igrejas que se esquecem de que Jesus sabe o que se passa no íntimo delas. Jesus sabe de tudo o que está se passando por trás dos bastidores. Por mais que a igreja tenha boa fama e aparência, ele sabe o que está acontecendo às escondidas. Ele afirmou: “Não há nada escondido que não venha a ser descoberto, ou oculto que não venha a ser conhecido. O que vocês disseram nas trevas será ouvido à luz do dia, e o que vocês sussurraram aos ouvidos dentro de casa, será proclamado dos telhados. (Lucas 12;2-3). 

O pregador Hernandes Dias Lopes comenta que na igreja de Sardes não havia heresia nem perseguição, mas a maioria dos membros estava com suas vestes contaminadas pelo pecado. Estavam flertando com o mundo, por isso estavam em decadência espiritual. A igreja de Sardes olhava-se no espelho e dava nota máxima para si mesma, dizendo ser uma igreja viva, enquanto aos olhos de Cristo já estava morta. Tinha a fama de ser uma igreja viva, reputação de uma igreja cheia de testemunho e vida, mas não realidade. Tinha aparência de vida, mas estava morta. 

Jesus achou uma igreja que praticava obras sem valor. Muitos membros são nominais, mas não são espirituais. Muitos estão inscritos no rol de membros da igreja local, mas não são membros da igreja verdadeira, invisível e universal. Suas orações não têm fervor nem intimidade com Deus, pois há frieza e formalidade. O prazer nas Escrituras já não existe mais, e nunca sobra tempo para Deus. Não existe prazer em estudar a Bíblia. Hoje, muitas igrejas desistiram da escola dominical por a considerarem coisa do passado. Consideram enfado e canseira estudar as Escrituras. Acham-se sábios aos seus próprios olhos e não estudam mais, pois não veem necessidade. Outros acham que basta ter um culto animado, cheio de agitações que o Espírito Santo completa o resto. Pensam que o cristão não precisa se dedicar ao estudo da Bíblia. A consequência disso é um crente fraco de doutrina, fácil de ser enganado por doutrinas estranhas, e sem convicção. Um raquítico espiritual, pois não se alimenta da Palavra de Deus. 

Jesus vê que algo pode ser restaurado nessa igreja, é o que resta e está para morrer. Mas é necessário que vigie. Sempre há oportunidade de restauração quando há arrependimento. Um cristão fraco pode se tornar forte quando se arrepende de verdade e entrega-se ao Senhor. Jesus nos ensina a vigiar e orar para não cair em tentação. Os apóstolos não conseguiram vencer o sono físico na hora mais tensa em que Jesus precisou deles, imaginem os que estão com o sono espiritual. A Bíblia diz: “desperta, ó tu que dormes, levanta-te dentre os mortos e Cristo resplandecerá sobre ti” (Efésios 5:14). 

Flertar com o pecado é um perigo terrível. As coisas começam sorrateiramente e quando menos se espera já se está totalmente envolvido com o erro. Aí tudo fica mais complicado. O remédio que Jesus recomenda é: recordar do que recebeu e ouviu; obedecer (guardar) e arrepender-se. Ele está se referindo à Palavra de Deus e a prática das primeiras obras, pois elas não estão perfeitas diante de Deus. Caso contrário, ele virá inesperadamente para julgar. 

Existem pessoas na igreja de Sardes que não contaminaram suas vestes, ou seja, não se corromperam com o pecado do mundanismo. Esses receberão vestes brancas e de maneira nenhuma terão seus nomes retirados do livro da vida. Seus nomes serão confessados diante do Pai e dos anjos. Essa promessa de segurança da salvação é de suma importância para nós. Ela nos traz descanso no poder do Senhor. Uma confiança maravilhosa, não uma desculpa para o relaxamento. Quem pensa que a segurança da salvação é algo desmotivador, é porque não entendeu a graça de Deus. Não precisamos comprar nossa salvação com obras nem a permanência no livro da vida. Não precisamos fazer barganhas com Deus. É uma questão de fé no Filho de Deus. Não é baseado no medo, e sim no amor, pois aquele que ama lança fora o medo e quem age com medo não está aperfeiçoado no amor (1 Jo 4:18). Amém!