Pesquisar este blog

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Estudos em Apocalipse - Aula 14

Apocalipse 3:7-13
7 “Ao anjo da igreja em Filadélfia escreva:“Estas são as palavras daquele que é santo e verdadeiro, que tem a chave de Davi. O que ele abre ninguém pode fechar, e o que ele fecha ninguém pode abrir.
8 Conheço as suas obras. Eis que coloquei diante de você uma porta aberta que ninguém pode fechar. Sei que você tem pouca força, mas guardou a minha palavra e não negou o meu nome.
9 Veja o que farei com aqueles que são sinagoga de Satanás e que se dizem judeus e não são, mas são mentirosos. Farei que se prostrem aos seus pés e reconheçam que eu o amei.
10 Visto que você guardou a minha palavra de exortação à perseverança, eu também o guardarei da hora da provação que está para vir sobre todo o mundo, para pôr à prova os que habitam na terra.
11 “Venho em breve! Retenha o que você tem, para que ninguém tome a sua coroa.
12 Farei do vencedor uma coluna no santuário do meu Deus, e dali ele jamais sairá. Escreverei nele o nome do meu Deus e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce dos céus da parte de Deus; e também escreverei nele o meu novo nome.
13 Aquele que tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas.

Filadélfia era a mais jovem das sete cidades. Fundada por colonos provenientes de Pérgamo sob o reinado de Átalo II nos anos de 159 a 138 a. C. A cidade estava situada num lugar estratégico, na principal rota do Correio Imperial de Roma para o Oriente. A cidade era chamada a porta do Oriente. Também era chamada de pequena Atenas, por ter muitos templos dedicados aos deuses. A cidade estava cercada de muitas oportunidades.
 
Jesus se apresenta a esta igreja como aquele que é santo e verdadeiro e que tem a chave de Davi (v.7). A chave de Davi é uma referência ao livro de Isaías 22:22, passagem que contém profecia relativa a Eliaquim, filho de Hilquias, o qual o constituiria mordomo na casa de Ezequias, o rei, com direito de exercer autoridade de mordomo. O mordomo da corte de Ezequias é aqui um tipo de Cristo. O Messias, filho de Davi, tem as chaves do reino messiânico, possuindo autoridade para abrir-lhe as portas. Jesus disse: “Foi-me dada toda a autoridade nos céus e na terra” (Mt 28:18). A chave de Davi é, portanto, uma simbologia ao poder de Jesus de abrir qualquer compartimento do Reino de Deus.
 
Segundo Hernandes D. Lopes, a igreja tem pouca força, talvez por ser pequena; talvez por ser formada de crentes pobres e escravos; talvez por não ter influência política e social na cidade, mas ela tem guardado a Palavra de Cristo e não tem negado o seu nome (v.8). A igreja tinha pouca força, mas Jesus colocou diante dela uma porta aberta, que ninguém podia fechar. A igreja é fraca, mas seu Deus é onipotente. A nossa força não vem de fora nem de dentro, mas do alto.
 
A porta da salvação ainda está aberta. Todo aquele se arrepende e crê pode entrar. Mas um dia essa porta será fechada. O próprio Cristo a fechará. Porque a chave que a abriu irá fechá-la novamente. E quando ele fechá-la ninguém poderá abri-la. Jesus conta uma parábola para ensinar sobre a porta que um dia fechará (Lucas 13:22-29). Ele conta que nesse dia alguns irão reclamar que participavam das coisas com Jesus, das comidas e bebidas, dos ensinos dele etc. Mas Jesus os repreende dizendo que eles só praticaram o mal, não são conhecidos dele. Isso é um alerta para pessoas que mesmo estando numa igreja e participando das atividades, na realidade são crentes falsos.
 
Os da sinagoga de Satanás são os judeus falsos que atacavam a igreja e diziam que os cristãos não eram salvos, porque não eram descendentes de Abraão (v.9). O apóstolo Paulo diz que os verdadeiros filhos de Abraão são os da fé (Gl 3:7). Jesus diz que faria com que esses falsos judeus se prostrassem perante a igreja e reconhecem que Ele a ama. Os judeus, um dia, reconhecerão que Jesus é o Messias, e virão, e reconhecerão que a igreja é o povo de Deus, constituída tanto de judeus e gentios, ou seja, todos aqueles que um dia entregaram a sua vida ao Senhor Jesus, e reconheceram que Jesus é verdadeiramente o Filho de Deus.
 
Jesus faz uma promessa para a igreja que guarda sua palavra (v.10). Ele promete proteger a igreja da hora da provação que há de vir sobre o mundo. Alguns intérpretes consideram que se trata do arrebatamento da igreja antes da tribulação. Outros acreditam que a igreja será retirada na metade da tribulação. Outros acreditam que os crentes serão protegidos na tribulação e arrebatados no final, próximo da chegada de Jesus à terra. Esse é um tema que merece mais tempo para estudos e aprofundamentos, pois existem muitas teses com muitos versículos a favor de cada uma. O mais importante é saber que Jesus promete que protegerá a igreja. Na verdade ele sempre a protege e nunca permitirá que sua noiva seja destruída, pois ele é fiel.
 
Jesus faz um alerta para a igreja de Filadélfia para guardar o que tem para não perder sua coroa (v.11). Coroa é uma recompensa (galardão), não é a salvação. Precisamos guardar o que temos. Cristo virá em breve para recompensar a todos os seus santos. A porta está aberta para a igreja proclamar a Palavra de Deus. Um dia essa porta será fechada pelo próprio Senhor. Muitas igrejas perderam seus ministérios, suas localizações, seus bens, seu amor, sua devoção etc.
 
Cristo promete aos fiéis que serão colunas no templo de Deus (v12). Essa expressão é uma garantia de segurança que teremos na cidade celestial, a nova Jerusalém. Ele diz que dali o crente nunca sairá. Os crentes receberão os nomes de Deus, da nova Jerusalém, e o novo nome de Jesus.