Pesquisar este blog

terça-feira, 20 de agosto de 2013

Estudos em Apocalipse - Aula 30



Aula 30


Texto para leitura: Apocalipse capítulo 18

O capítulo 18 contínua a explicar o que acontecerá com a “grande Babilônia”, a cidade corrupta e religiosa, simbolizada por uma mulher prostituta. Enquanto que a Noiva do Cordeiro (a igreja) é fiel ao seu Noivo (Jesus Cristo), a mulher da Besta é infiel. Enquanto que o Noivo deu a vida pela Noiva, a Besta odiará sua companheira e a destruirá (Ap 17:16).

No final do capítulo 17 encontramos a explicação de que a mulher prostituta é uma cidade corrupta e religiosa (Ap 17:18). É interessante notar que as Escrituras dizem que esta mulher está assentada sobre muitas águas, e que essas águas são povos, nações e línguas (Ap 17:15). Ao mesmo tempo em que a Babilônia Religiosa é uma cidade, também está espalhada sobre toda a terra, reinando com a Besta. A interpretação é que o poder religioso está sustentado pelo poder político do Anticristo espalhado em todos os cantos da terra.

Outro ponto interessante e ao mesmo tempo intrigante, é que o verso de Apocalipse 17:17 diz que “Deus colocou no coração deles o desejo de realizar o propósito que ele tem, levando-os a concordarem em dar à besta o poder que eles têm para reinar até que se cumpram as palavras de Deus”. Como pode ser isto? Deus é quem coloca o desejo no coração das pessoas? Para muitos esse trecho é motivo de confusão. O apóstolo Paulo, em sua carta aos Tessalonicenses, dá a seguinte explicação:

 A vinda desse perverso é segundo a ação de Satanás, com todo o poder, com sinais e com maravilhas enganadoras. Ele fará uso de todas as formas de engano da injustiça para os que estão perecendo, porquanto rejeitaram o amor à verdade que os poderia salvar Por essa razão Deus lhes envia um poder sedutor, a fim de que creiam na mentira, e sejam condenados todos os que não creram na verdade, mas tiveram prazer na injustiça (2 Ts 2:9-12).

É dado aos homens o livre-arbítrio para escolherem em crer ou rejeitar o amor da verdade para serem salvos. Uma vez o homem tendo rejeitado crer no Evangelho, resistido ao Espírito Santo, então cabe a Deus tirar essas pessoas definitivamente “de cima do muro”. Na realidade muitas pessoas escondem seus verdadeiros credos e convicções. Apesar de alguns viverem uma vida religiosa ou até mesmo não possuírem uma religião, no fundo elas exercem sua fé positiva ou negativa em relação a Deus e a Jesus Cristo. Dessa forma, Deus em sua onisciência e onipotência, faz com que todos que rejeitaram o amor da verdade, sejam “automaticamente” seduzidos a crerem na mentira. Dessa forma, os que estão atrás das cortinas do “politicamente correto”, mostrarão suas verdadeiras faces, sejam boas ou ruins.

Os versos de 1 a 3 mostra outro anjo anunciando a queda da Grande Babilônia. Uma cidade religiosa e mística cheia de demônios e de conchavos políticos. Os comerciantes e empresários se enriquecem por causa da corrupção e delícias produzidas pelo amor ao dinheiro.

O verso 4 faz um alerta ao povo de Deus que está na Babilônia. Existe povo de Deus convivendo em ambientes que Deus não aprova. Isso é um alerta muito sério. Deus sempre avisa antes de derramar o juízo sobre a terra ou sobre alguma nação. Nesse caso, Deus está alertando aos santos que convivem num ambiente cercado de pecados que se afastem e não participem deles, pois poderão sofrer quando Deus derramar sua ira. De semelhante modo, no Antigo Testamento, Deus enviou os profetas para falar ao seu povo antes da destruição da Babilônia física. Veja Jeremias 51:6,45.

O mundo em que vivemos está se acumulando de pecados (v.5). A cada dia milhares de pessoas são mortas, violentadas, sequestradas e perseguidas pelo mal. Inocentes sofrem pela falta de compaixão das pessoas. Famílias estão passando fome, necessitando de hospitais, médicos etc. Os governos desviam recursos para se enriquecerem a custa do povo. A glória desse mundo é conquistada por meio de atos ilícitos, pecados terríveis que provocam a ira de Deus. Chegará um dia em que Deus retribuirá cada um segundo as suas obras. Babilônia receberá em dobro pelos seus atos (v.6).

O verso 9 mostra que os reis da terra, os poderosos que se comprometeram com as obras do Maligno, a idolatria pagã, o materialismo, a luxúria, serão arruinados juntamente com Babilônia. Lamentam ao contemplar suas enormes perdas.

Os versos de 9 a 19 vemos o lamento dos poderosos e reis da terra que se corromperam com Babilônia, reclamando por não poderem mais ganhar dinheiro com o comércio e luxo produzidos pela Babilônia religiosa. Eles estarão de longe, com medo por causa da grande tribulação que Babilônia passará. Ela que se considerava uma rainha rica e imbatível e que jamais poderia passar por tristezas, se vê agora recebendo uma punição terrível vinda de Deus.

O verso 20, em contraste com toda essa lamentação dos poderosos, mostra a alegria dos santos e profetas por terem sidos restaurados por Deus de toda a perseguição e morte produzidas pela Babilônia. Ela será exterminada para sempre. Não haverá mais lembrança dessa morada de demônios.

Babilônia, o sistema corrupto do mundo é um símbolo da oposição a Deus e a sua igreja. Babilônia é a sede da feitiçaria, o espírito que substitui Deus por magias e também o centro de perseguição à igreja, onde os profetas e santos foram mortos. O ponto principal que devemos observar é que este mundo arrogante e sedento de prazer, perecerá com todas suas riquezas e prazeres sedutores, com toda a sua cultura e filosofia anticristãs, com suas multidões que tem abandonado a Deus e vivido conforme os desejos da carne. Os ímpios sofrerão penalidade eterna.

O capítulo 18 termina dizendo que todos os que foram mortos sobre a terra, os santos e profetas, foram de certa forma financiados pela Babilônia, a cidade maligna, a mulher do anticristo.