Pesquisar este blog

terça-feira, 20 de agosto de 2013

Estudos em Apocalipse - Aula 31



Aula 31


Texto para leitura: Apocalipse capítulo 19

O capítulo começa com um brado de “Aleluia!”, glorificando a Deus pela vitória sobre a Babilônia, a Grande Prostituta, que tinha corrompido a terra com seus pecados e derramado o sangue dos servos de Deus.

Essa grande prostituta, o sistema religioso, político e econômico que dominou o mundo e ostentou sua riqueza, poder e luxúria, entra em colapso. Na segunda vinda de Cristo esse sistema estará completamente destruído.

No verso quatro, aparecem novamente os vinte e quatro anciãos e os quatro seres viventes que estudamos no início do livro. Eles louvam a Deus pela vitória:
a) Quatro seres viventes à aqui se interpreta como anjos da classe dos Querubins, que ficam ao redor do Trono de Deus como descritos no livro de Ezequiel 1.5-12, 10.1-22. Porém, outros intérpretes acham que os quatro seres viventes são uma representação dos quatro evangelhos (Mateus, Marcos, Lucas e João). Outros interpretam como sendo a natureza perfeita de todas as criaturas da terra, representada pelo leão, boi, homem e águia.

b) Os vinte e quatro anciãos à aqui se interpretam como doze patriarcas do Antigo Testamento e os doze apóstolos do Novo Testamento, ou seja, representam o povo de Deus de todas as épocas.

Nos versos cinco e seis, há uma voz que vem do trono pedindo para que todos os servos de Deus entoem louvores, e esse pedido é respondido por uma multidão que exalta ao Senhor por sua vitória e pelo seu reinado.

Em seguida é dito que para todos os servos de Deus se alegrem e deem glória pelo tão esperado momento, as bodas do Cordeiro. A noiva (igreja) já está pronta para encontrar-se com o Noivo (Cristo). São colocadas vestes de linho fino, que representam as boas obras dos santos (v.8).

Feliz é aquele que foi chamado a participar da Ceia de Núpcias do Cordeiro. Ali todos os crentes do mundo e de todas as épocas se encontrarão. Iremos nos encontrar com Jesus e também com todos os personagens históricos. Todos aqueles que por meio da fé, foram lavados e remidos pelo sangue do Cordeiro.

Para compreendermos melhor essa figura de linguagem entre Cristo e a Igreja, simbolizados pelo Noivo e Noiva, resumiremos a seguir o costume do casamento Judeu:

  • Noivado - era algo mais profundo do que esse compromisso significa para nós. A obrigação do matrimônio era aceita na presença de testemunhas e a bênção de Deus era pronunciada sobre a união. Desde esse dia o noivo e a noiva estavam legalmente comprometidos.
  • O intervalo - Durante o intervalo o esposo paga ao pai da noiva um dote.
  • A procissão para a casa da noiva - Ao final do intervalo o noivo sai em procissão para a casa da noiva. A noiva se prepara e se atavia. O noivo em seu melhor traje é acompanhado de seus amigos que cantam e levam tochas e seguem em direção à casa da noiva. O noivo recebe a noiva e a leva em procissão ao seu próprio lar.
  • Finalmente, as bodas - As bodas incluem a festa das bodas que duravam sete dias.


Agora a igreja está desposada com Cristo. Ele já pagou o dote por ela. Ele comprou a sua esposa com seu sangue. O intervalo é o período que a noiva tem para se preparar. Ao final desse tempo, o noivo vem acompanhado dos anjos para receber a sua noiva, a igreja. Agora começa as bodas. As bodas continuam não por uma semana, mas por toda a eternidade.

No verso dez, João se lança ao chão para adorar o anjo que lhe anunciava as coisas. Porém, lhe é proibido fazer isso. Aqui nos é ensinado que não devemos adorar a nenhuma criatura de Deus, somente ao Criador. Isso também é repetido em Apocalipse 22:8-9, onde João faz outra tentativa de adorar o anjo e novamente lhe é proibido.

A partir do verso onze, João vê Jesus assentado sobre um cavalo branco preparado para julgar. Seu manto está sujo de sangue e tem um nome que ninguém conhece, senão ele mesmo. Em seguida ele vê que o cavaleiro é o Verbo de Deus. Ele vem seguido por um exército que também está montado em cavalos brancos. Um exército de anjos que descerá com Cristo. Os salvos que estiverem na glória virão com ele entre nuvens. Todos como vencedores, montados em cavalos brancos. Todos com vestiduras brancas. Outrora, a nossa justiça era como trapos de imundícia, mas agora, vamos vestir vestiduras brancas. Somos justos e vencedores.

É dito também que Jesus reinará sobre as nações com vara de ferro e com a espada da sua boca. Isto significa que Jesus irá agir com dureza contra as nações pecadoras. Jesus volta como juiz e não mais como um cordeiro. Ele agora agirá com o Rei dos reis e Senhor dos senhores. Jesus destruirá todos aqueles que destroem a terra.

A besta e os reis da terra reúnem seus exércitos para tentarem um último ataque, mas sem sucesso. A besta e o falso profeta serão os primeiros a serem presos e lançados vivos no lago de fogo (O Geena) (v.20) Os demais, ou seja, os ímpios serão mortos pela Palavra de Jesus (v.21), e ressuscitados somente no final do milênio (Ap 20.5).

O lago de fogo é a segunda morte, ou seja, a separação definitiva de Deus. Existe certa confusão no meio cristão sobre o significado de Inferno (gr. hades, lugar dos mortos) e Lago de Fogo (geena). Isso é devido algumas Bíblias traduzirem os dois termos originais pela mesma palavra “Inferno”. Isso acabou gerando essa confusão. A Bíblia diz que até mesmo o Hades (inferno) será lançado no Lago de Fogo (Ap 20.14). Isso significa que o Inferno é um lugar de sofrimento temporário das almas dos ímpios, sem o corpo (veja a parábola do Rico e Lázaro, Lc 16.19-31). Mas não é o Purgatório, como ensinado na doutrina Católica, onde é dito que há possibilidade de “se pagar os pecados” para sair de lá. Hades é um estado intermediário, onde as almas já estão recebendo um juízo temporário e aguardam o julgamento final. No julgamento final, as almas serão reunidas aos seus corpos ressuscitados e lançados definitivamente no Lago de Fogo. Para se conferir isso, basta observar nas línguas originais, no Novo Testamento, quando se refere à alma e corpo no sofrimento é utilizado o termo “Geena”. Quando a Bíblia se refere a sofrimento da alma sem o corpo, é utilizado o termo “hades”.

No próximo capítulo, estudaremos mais sobre o Inferno, Lago de fogo e também sobre o Milênio, que é outro assunto que possui divergências entre os estudiosos da Bíblia.